Vagner Cunha e Ernesto Fagundes executam música ao vivo para filme de Dziga Vertov, no Cine Iberê

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Realizado na União Soviética, em 1929, Um Homem com uma Câmera é um filme ícone do cinema documental e experimental, influenciado pelo futurismo. A sessão especial conta com música composta especialmente para o filme por Vagner Cunha. A entrada é franca

No próximo domingo, 24 de junho, às 16h, o Cine Iberê apresenta uma sessão especial de cinema mudo com música ao vivo, com o compositor e multi-instrumentista Vagner Cunha e o compositor, percussionista e cantor Ernesto Fagundes. Filme ícone do cinema documental e experimental, Um Homem com uma Câmera, do cineasta russo Dziga Vertov, dialoga com as exposições em cartaz na Fundação Iberê Camargo – Moderna Para Sempre e As Durações do Rastro – por sua influência do futurismo e do construtivismo, aproximando-se da arquitetura. A sessão única e gratuita integra o programa Silêncio em Movimento – cinema mudo com música ao vivo, e tem curadoria de Marta Biavaschi.

Um Homem com uma Câmera revela o cotidiano da vida urbana de Odessa e de outras cidades da antiga União Soviética, mostrando a indústria, o trabalho e as formas de lazer da população soviética dos anos 20. O documentário também é marcado pela experimentação cinematográfica que Diziga Vertov chamava de cine-olho, afirmando-se como um filme-tese sobre o próprio fazer cinematográfico. Foi realizado com diferentes procedimentos cinematográficos, como alteração de velocidade da câmera, stills, telas divididas, entre outros.

A trilha executada foi composta pelo maestro e multi-instrumentista Cunha especialmente para o filme. Vagner Cunha atua em diversos ambientes na cena musical contemporânea, tendo suas composições interpretadas por importantes orquestras e grupos de câmara brasileiros. Vagner também compõe trilhas musicais para dezenas de filmes e projetos audiovisuais, além de músicas orquestrais didáticas, dedicadas à formação de jovens instrumentistas. Sua obra está em discos como Mahavidyas (2008), Além (2012), Variações São Petersburgo (2016), Vagner Cunha convida Guinga (2017), Concerto para Violão de 7 cordas e orquestra com Yamandu Costa (2017), além de dois discos dedicados a poemas de Antonio Meneghetti, interpretados pela Camerata Ontoarte e Carla Maffioletti (2015 e 2017). Recebeu sete vezes o Prêmio Açorianos e, em 2011, o Prêmio FUNARTE de Composição. Atualmente é diretor musical da Camerata Ontorte Recanto Maestro – para a qual compõe regularmente em diversas formações camerísticas – e dedica-se à composição da Ópera O Quatrilho, com libreto de José Clemente Pozenato. Junto com cantor e bombo leguerista Ernesto Fagundes gravou, em 2017, o projeto Los Orientales. Em seu primeiro CD, a dupla convidou o acordeonista Luciano Maia e o violoncelista Celau Moreira para interpretarem um repertório de composições próprias que inclui milonga, valsa, chacarera e samba, entre outros ritmos que varrem de leste a oeste a geografia musical. Ernesto Fagundes é bombo leguerista, cantor e compositor. Juntamente com o pai Bagre e os irmãos Neto e Paulinho, integra o conjunto de música regional gaúcha Os Fagundes, mas sua atuação como músico é ampla e diversa, tendo trabalhado com grandes instrumentistas como Yamandu Costa. Também possui um trabalho solo e, em 2010/2011, Ernesto foi protagonista do documentário Origens, com direção de Renê Goya, sobre o Bombo Leguero.

Jose Yalenti, Evanescente, 1945, gelatina e prata [vintage], 27,5 x 39 cm.

Diziga Vertov (1896- 1954) é cineasta, documentarista e jornalista russo, considerado o realizador precursor do cinema-verdade. Sua primeira obra cinematográfica – o cinejornal Kinonedelia (1918). Contemporâneo de Eisenstein, Diziga Vertov fundou o movimento cine-olho, em 1923. A partir do olho, a realidade-sensação do mundo, sem a representação, sem a dramatizacão. Sua filmografia, entre outras obras: Kinonedelia (1918), O aniversário da Revolução (1919), A batalha de Tsaritsin (1920), Kinopravda (1922-25), A sexta parte do mundo (1926), O décimo primeiro ano (1927-28), Um homem com uma câmera (1929), Três cânticos para Lenin (1934), Canção de ninar (1937), Três heroínas (1938).

Fundação Iberê Camargo tem o patrocínio de ItaúGrupo GPSIBMOleoplanAgibankBTG PactualBanrisul e apoio SLC AgrícolaSulgás e DLL Group, com realização e financiamento do Ministério da Cultura / Governo Federal. A Traduzca apoia a exposição As Durações do Rastro.

Serviço:

Cine Iberê

Domingo, 24 de junho, às 16h – Um Homem com uma Câmera, de Dziga Vertov (1h7min, 1929, URSS) – Cinema mudo com música ao vivo, composta especialmente para o filme e executada por Vagner Cunha e Ernesto Fagundes

Entrada franca por ordem de chegada  | Classificação indicativa: 12 anos

Local: Auditório BTG Pactual

Endereço: Fundação Iberê Camargo – Avenida Padre Cacique, 2000

Como chegar:

A Fundação Iberê dispõe de estacionamento pago, operado pela Safe Park.

As linhas regulares de lotação que vão até a Zona Sul de Porto Alegre param em frente ao prédio, assim como as linhas de ônibus Serraria 179 e Serraria 179.5. É possível tomá-las a partir do centro da cidade ou em frente ao shopping Praia de Belas. O retorno pode ser feito a partir do Barra Shopping Sul, por onde passam diversas linhas de ônibus com destino a outros pontos da cidade.

Pedestres e Ciclistas: existe uma passagem para que pedestres e ciclistas possam atravessar a via em segurança. A passarela é acessada pelo portão de entrada do estacionamento. A Fundação também dispõe de um bicicletário, localizado nos fundos do prédio.

Site: www.iberecamargo.org.br

Fanpage: www.facebook.com/fundacaoiberecamargo

Instagram: @ f_iberecamargo

Visita virtual Google Artes & Culture – https://goo.gl/wYr75v

Exposições em cartaz

As Durações do Rastro – A fotografia de Jordi Burch frente à arquitetura de Àlvaro Siza Vieira

Exposição de fotografias de Jordi Burch

Curadoria: Verônica Stigger

Local: 4º andar

Período de exibição: de 16 de junho a 5 de agosto de 2018

Classificação indicativa: Livre

A exposição As Durações do Rastro – A fotografia de Jordi Burch frente à arquitetura de Àlvaro Siza Vieira, do fotógrafo português Jordi Burch, traz uma série de 40 imagens que registram quatro conjuntos habitacionais da Europa projetados pelo arquiteto português Álvaro Siza – também autor do premiado projeto arquitetônico da Fundação Iberê Camargo. A mostra faz parte das comemorações dos 10 anos de construção do edifício sede da Fundação.

A série se originou de um convite que o artista recebeu para participar da Bienal de Arquitetura de Veneza de 2016, no pavilhão de Portugal dedicado a Siza. A ideia era levar Burch e uma equipe de cinegrafistas para acompanhar a visita do arquiteto a conjuntos habitacionais projetados por ele, depois de muitos anos sem rever essas obras: no Bairro da Bouça (Porto/Portugal, 1973), no Campo di Marte, na Giudecca (Veneza/Itália, 1983), em Kreuzberger (edifício Bonjour Tristesse, Berlim/Alemanha, 1984), e no Schilderswijk West (Haia/Holanda, 1985). Para saber mais sobre a exposição, acesse o presskit aqui: https://goo.gl/U9in9x.

Exposição Moderna para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural

Curadoria: Iatã Cannabrava

Local: 2º e 3º andares

Período de exibição: de 19 de maio a 15 de julho de 2018

Classificação indicativa: Livre

A exposição Moderna para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural é composta por 144 obras, com destaque para quatro trabalhos recém-adquiridos e incorporados à mostra pela primeira vez: Florale, de Geraldo de BarrosOcaParque do Ibirapuera, de German Lorca; além de Composição e Sem Título, de Mario Fiori. Com curadoria do fotógrafo e pesquisador Iatã Cannabrava, a mostra soma trabalhos de 33 artistas renomados, com foco em suas participações no Foto Cine Clube Bandeirante, em particular, e na importância de suas obras no movimento modernista para a cultura e identidade brasileiras.

“Atentos às transformações que ocorriam no mundo, os fotógrafos modernistas brasileiros devoraram influências para criar uma nova fotografia, que teve como premissa uma leitura essencialmente criativa e de ruptura”, explica Iatã Cannabrava, curador da exposição.

De caráter itinerante e sempre com diferentes recortesModerna para Sempre começou a circular em 2010, quando foi apresentada, também em Porto Alegre, no Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS). De lá para cá, seguiu por mais 11 cidades brasileiras – Fortaleza, Belo Horizonte, Belém, Ribeirão Preto, São Paulo, Santos, Recife, Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro e Vitória. No exterior, a mostra esteve em Assunção, no Paraguai, Cidade do México, no México, e Lima, no Peru. A exposição que chega agora na Fundação Iberê Camargo tem cerca de 50% de obras que nunca foram expostas em Porto Alegre.

Sobre Iatã Cannabrava – Fotógrafo, editor, curador e agitador cultural, Iatã Cannabrava possui três livros publicados – Casas Paulistas (2000), Uma Outra Cidade (2009) e Pagode Russo (2014) –, fotos nas coleções MASP-Pirelli, Galeria Fotoptica, Joaquim Paiva e MAM-SP e trabalhos publicados em oito livros de autoria coletiva.

Sobre a Fundação Iberê Camargo

A Fundação Iberê Camargo é uma instituição privada sem fins lucrativos, criada em 1995, a partir de um desejo do próprio artista e sua esposa, Maria Coussirat Camargo, e com o apoio de amigos e empresários de Porto Alegre.

Há 22 anos, a Fundação desenvolve ações culturais e educativas com a missão de preservar o acervo, promover o estudo, a divulgação da obra de Iberê Camargo e estimular a interação de seu público com arte, cultura e educação, por meio de programas interdisciplinares. Seu acervo é formado por um núcleo documental, composto de documentos e imagens relacionadas à vida e à obra do artista, e um núcleo com a coleção Maria Coussirat Camargo, que inclui pinturas, gravuras, guaches, desenhos e estudos de Iberê Camargo, obras que o casal acumulou durante a vida.

A sede da instituição, inaugurada em 2008, foi projetada pelo português Álvaro Siza, um dos arquitetos contemporâneos mais importantes do mundo. O projeto recebeu o Leão de Ouro da Bienal de Arquitetura de Veneza (2002) e é mérito especial da Trienal de Design de Milão.

Referência arquitetônica na cidade de Porto Alegre, o prédio possui salas expositivas, átrio, reserva técnica, centro de documentação e pesquisa, ateliê de gravura, ateliê do educativo, auditório, loja, cafeteria, estacionamento e parque ambiental projetado pela Fundação Gaia.

Iberê Camargo

[Restinga Seca, 1914 – Porto Alegre, 1994] – Iberê Camargo é um dos grandes nomes da arte brasileira do século 20. Autor de uma extensa obra, que inclui pinturas, desenhos, guaches e gravuras, Iberê nunca se filiou a correntes ou movimentos, mas exerceu forte liderança no meio artístico e intelectual brasileiro. Dentre as diferentes facetas de sua vasta produção, o artista desenvolveu as conhecidas séries Carretéis, Ciclistas e As idiotas, que marcaram sua trajetória. Grande parte de sua produção, estimada em mais de sete mil obras, compõe hoje o acervo da Fundação Iberê Camargo.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.