Tosse seca, obstrução na garganta e até dor no peito podem ser causadas por refluxo

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Especialista do Hospital CEMA explica que muitos sintomas gerados pela doença podem ser confundidos com problemas respiratórios; saiba como diferenciar

Existem sintomas que podem não ser o que parecem. Como, por exemplo, a sensação de que há uma “bola” na garganta ou aquela tosse seca que não passa. Esses dois sinais não necessariamente estão relacionados a problemas respiratórios, mas sim a uma outra doença, que atinge entre 10% e 20% da população: o refluxo. “Esse distúrbio pode ter sintomas muito variados, como azia e queimação na boca do estômago, dor intensa na região torácica, que pode até ser confundida com angina ou infarto, e doenças pulmonares de repetição, como pneumonias, bronquites e asmas”, alerta o otorrinolaringologista do Hospital CEMA, Leandros Sotiropoulos.

A Doença do Refluxo Gastroesofágico, popularmente conhecida como refluxo, acontece quando há o retorno de conteúdo gástrico para o esôfago e adjacências. Isso ocorre graças a uma inabilidade do esfíncter esofágico em manter os alimentos no trato gastrointestinal, permitindo que eles “voltem” para o esôfago. Como o estômago tem suco gástrico, que é uma substância ácida, esse retorno alimentar é bem desagradável, gerando os sintomas já mencionados de queimação e azia. Pode acontecer com qualquer pessoa, mas em algumas o problema torna-se crônico, gerando a doença.

“Devido à proximidade do esôfago com a laringe, faringe e fossas nasais, o refluxo é capaz de gerar muitos sintomas otorrinolaringológicos. Toda a área atingida pode sofrer reações inflamatórias que, em muitos casos, desencadeiam esses sintomas”, diz o médico. Entre os sinais mais comuns, além da queimação e azia, estão a tosse seca, a rouquidão, alterações no ouvido e pigarro. Caso não seja tratado, o refluxo pode ainda piorar os quadros de rinites e rinossinusites, causando doenças pulmonares de repetição, como pneumonia, asma e bronquite.

Embora possa atingir qualquer pessoa, alguns fatores de risco podem favorecer o aparecimento do problema:

– Obesidade – Os episódios de refluxo tendem a diminuir quando a pessoa emagrece;

– Refeições volumosas antes de deitar;

– Aumento da pressão intra-abdominal (esforços físicos no geral);

– Ingestão de alimentos e bebidas como café, chá preto, chá mate, chocolate, molho de tomate, comidas ácidas, bebidas alcoólicas e gasosas.

O tratamento para o refluxo vai depender do que o originou. Muitas vezes, apenas mudanças na alimentação e de hábitos já são suficientes. Mas, em alguns casos, pode ser necessário o uso de medicação e até mesmo cirurgia. O procedimento cirúrgico só é indicado nos casos graves.

Sobre o CEMA

Referência no atendimento especializado de olhos, ouvidos, nariz e garganta há mais de 40 anos, o Hospital CEMA atende os mais variados planos de saúde e clientes particulares. O Hospital mantém a unidade e o pronto-atendimento funcionando 24 horas, 7 dias por semana. Possui ainda clínicas de especialidades complementares em neurologia (dor), fonoaudiologia, medicina do sono, disfunção temporomandibular, cirurgia plástica estética, orientação nutricional, odontologia e ortodontia, com atendimento exclusivo com hora marcada, além de unidades ambulatoriais em todas as regiões de São Paulo, em São Bernardo do Campo, no ABC, e Guarulhos.

Para mais informações sobre o Hospital e seu braço social, o Instituto CEMA, acesse: http://www.cemahospital.com.br

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.