Saiba quais são as principais diferenças entre os mais diversos tipos de espumantes

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

De acordo com Lana Ruff, sommelière da Evino, antes de tudo é preciso conhecer os métodos de vinificação para entender as principais diferenças entre Champagne, Prosecco e Cava

Que o espumante é considerado uma bebida clássica ninguém pode negar. Mas você sabe como definir as principais diferenças entre os seus mais diversos e conhecidos tipos? De acordo com Lana Ruff, sommelière da Evino, antes de tudo, é preciso entender os dois métodos principais de vinificação de espumantes, pois eles são responsáveis por orientar o estilo e o preço da bebida a ser produzida.

Método tradicional (conhecido como Champenoise em Champagne): o líquido passa normalmente pela primeira fermentação (a alcoólica – aquela que transforma suco em vinho) e depois é engarrafado para ser submetido a uma segunda fermentação, onde surgirão as borbulhas. Neste caso, uma superfície maior da bebida permanece em contato com as leveduras responsáveis por esses processos fermentativos, o que dá ao vinho notas aromáticas de pão e brioche, além de uma textura cremosa.

Método Charmat: após a fermentação alcoólica, o vinho é mantido em cubas para passar pela segunda fermentação. Só depois disso ele é engarrafado. O contato com as leveduras é pouco, mas as características varietais (aquelas próprias da uva) são mantidas, o que confere ao vinho notas aromáticas frutadas e florais.

O famoso Champagne, por exemplo, é o espumante elaborado somente e exclusivamente na região de Champagne, no norte da França. O método utilizado deve ser o tradicional e somente três uvas são permitidas: Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier. “Devido ao método Champenoise, em que o vinho passa por uma segunda fermentação já dentro da garrafa, é comum sentir aromas que lembram pão, torrada, brioche e manteiga”, explica.

Já o Prosecco é o espumante elaborado somente na região do Vêneto, no nordeste da Itália. O método de vinificação utilizado é o Charmat – em que o vinho sofre a segunda fermentação em grandes cubas e, portanto, retém suas características primárias, de frutas e flores. “A única uva usada também leva o nome de Prosecco, embora recentemente tenha sido reapelidada de Glera. Em geral, os espumantes Proseccos tendem a ser refrescantes e oferecem abundância de borbulhas”.

Não podemos esquecer o Cava. Pouco conhecido pela grande maioria, ele é considerado o espumante favorito dos espanhóis e saem majoritariamente da região da Catalunha, no nordeste da Espanha. De acordo com a sommelière, eles são produzidos segundo o método tradicional, tipicamente com as uvas Macabeo, Parellada e Xarel-Lo. As uvas Chardonnay e Pinot Noir também podem ser utilizadas e, para os rosés, estão permitidas Garnacha, Monastrell e até Cabernet Sauvignon. “O Cava é caracterizado pela excelente relação de custo x benefício e por funcionar como uma espécie de meio termo entre Champagne e Prosecco. Isso porque ele herda características das leveduras, mas, como normalmente passa menos tempo em contato com elas na garrafa, retém aromas frescos de frutas e flores”, pontua.

De acordo com Lana, todos os exemplos citados acima são considerados espumantes. “Para ser espumante basta ter perlage (conjunto de borbulhas). A borbulha é simplesmente o gás carbônico gerado no processo fermentativo do vinho e retido nele com condições especiais de temperatura e pressão”. Para ela as principais diferenças entre os mais diversos tipos de espumantes são consideradas fatores culturais que motivam métodos de produção diferentes. “Nem sempre é fácil distinguir um tipo de espumante de outro. Um aspecto que nos traz dicas e permite diferencia-los é o aroma. Champagnes cheirarão a pão e brioche em virtude do maior contato com leveduras enquanto os espumantes Charmat oferecerão uma característica mais frutada e, em geral, cítrica”.

Site:www.evino.com.br

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.